QUANDO O DOM FALA MAIS ALTO

NAS FRONTEIRAS DO CONHECIMENTO



Durante algumas semanas pude pesquisar sobre poliglotas, capturar informações sobre a metodologia usada para expandir o conhecimento e o que os faz levar essa vida com tanta afirmação. Certamente o YouTube é o caminho mais curto pra conhecer milhares de "super-poliglotas", de todos os lugares, com várias características diferentes. Enfim, foi possível perceber aspectos diversos e grandes diferenças no que uma maioria chama e entende por "nível avançado de conversação, nunca criticando, até mesmo porque eles são capazes de fazer coisas incríveis, além da imaginação de "um humano qualquer". De toda forma a evidência é única, a maioria aprendeu com perfeição idiomas ligados a mesma raiz idiomática.

A raiz de quase tudo que se usa, quando o assunto é línguas, vem dos verbos, pronomes pessoais e adjetivos, não que o restante não seja importante, mas esses três primeiros são essenciais. Para referir a algo ou falar de si próprio.

É importante também estar atento ao que se fala, alguém que gostaria de trabalhar no mercado global e manter contato com várias culturas, precisa saber qual idioma é importante para o mundo atual. Abaixo listei os "Top 10 segundo o site Guiadasemana, baseado em um estudo de  George Weber". Em resumo, não adianta querer aprender coreano achando que vai se dar bem na Coréia do Sul, o ideal é inglês.

1. Inglês 37 pontos 
2. Francês 23 pontos
3. Espanhol 20 pontos
4. Russo 16 pontos
5. Árabe 14 pontos 
6. Chinês 13 pontos 
7. Alemão 12 pontos 
8. Japonês 10 pontos 
9. Português 10 pontos 
10. Hindi/Urdu 9 pontos 


Em um contexto inteligente, quando se aprende uma língua, é possível sempre expandir e traçar novos objetivos e explorar novas fronteiras. Como é o caso do português, que é 89% similar ao espanhol e 85% similar ao catalão. Dos idiomas latinos o que mais se distancia de todos os outros é o romeno, até mesmo pela influência que sofreu das línguas eslavas e germânicas, mesmo assim chega a ter 75% de semelhança com o francês.


Carlos do Amaral Freire, considerado o maior poliglota do Brasil
Dessa vez usando o Youtube, pesquisei um monte de gente "doida" que fala ou fala que fala um punhado de línguas, é surpreendente, provavelmente uma prova de que o conhecimento não pode ser medido. Vale cada segundo ver os vídeos abaixo e conhecer a história de cada um desses super-humanos.




  • Matthew é um poliglota que usa o seu extraordinário conhecimento linguístico para desenvolver cursos no grupo Babbel, que é uma empresa especializada em desenvolver cursos e métodos para aprender idiomas, confira abaixo.




  • Na cidade de Belo Horizonte, uma faxineira (Maria da Conceição) surpreendeu seu gerente após atender uma chamada telefônica em holandês. E logo após provou falar mais 3 idiomas.



  • Aparecido Donizete "Seu Cido", vendedor de ferro velho, é um leitor assíduo, falante do inglês, espanhol, alemão e até mesmo japonês. Tudo aprendido por autodidatismo.



  • Marconi é catador de latinhas de alumínio, está desempregado, teve que se virar no passado para falar com os turistas quando era criança, atribui todo o conhecimento a um dom concedido por Deus.







  • Um programa na TV brasileira levou Carlos Salgado Santos (morador de rua) pra conversar em um programa, entendedor de sete idiomas, foi pra São Paulo tentar uma vida melhor e acabou desempregado.

  • Em outro canal de TV vimos Miguel Batista (pedreiro e cineasta), falante fluente do esperanto.



  • Está aí, um bebezinho, que é estadunidense e entende e fala português com uma facilidade sem igual.


    Ziad Fazah foi por um tempo muito conhecido por suas habilidades linguísticas. Ainda hoje é um poliglota conceituado e muito conhecido, mas já esteve em posições mais surpreendentes e prestigiadas, antes de ter sido entrevistado por uma canal da TV chilena e passar por uma "saia-justa" perguntado por diversos falantes nativos. 







Fontes:
http://www.guiadasemana.com.br/turismo/noticia/o-ranking-dos-idiomas-mais-influenciadores-do-mundo

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário