ORIGEM DOS MESES DO ANO

Como surgiram os nomes dos meses do ano?




Nosso calendário é regido por deuses, imperadores e números romanos

Antes de Roma ser fundada, as colinas de Alba eram ocupadas por tribos latinas, que dividiam o ano em períodos nomeados de acordo com seus deuses. Os romanos adaptaram essa estrutura. De acordo com alguns pensadores, como Plutarco (45-125), no princípio dessa civilização o ano tinha dez meses e começava por Martius (atual março). Os outros dois teriam sido acrescentados por Numa Pompílio, o segundo rei de Roma, que governou por volta de 700 a.C.


Os romanos não davam nome apenas para os meses, mas também para alguns dias especiais. O primeiro de cada mês se chamava Calendae e significava "dia de pagar as contas" - daí a origem da palavra calendário, "livro de contas". Idus marcava o meio do mês, e Nonae correspondia ao nono dia antes de Idus. E essa era apenas uma das diversas confusões da folhinha romana.



Até Júlio César (100 a.C.-46 a.C.) reformar o calendário local, os meses eram lunares (sincronizados com o movimento da lua, como hoje acontece em países muçulmanos), mas as festas em homenagem aos deuses permaneciam designadas pelas estações. O descompasso, de dez dias por ano, fazia com que, em todos os triênios, um décimo terceiro mês, o Intercalaris, tivesse que ser enxertado.



Com a ajuda de matemáticos do Egito emprestados por Cleópatra, Júlio César acabou com a bagunça ao estabelecer o seguinte calendário solar: Januarius, Februarius, Martius, Aprilis, Maius, Junius, Quinctilis, Sextilis, September, October, November e December. Quase igual ao nosso, com as diferenças de que Quinctilis e Sextilis deram origem ao meses de julho e agosto. Quando e como isso aconteceu, você descobre lendo o quadro abaixo.



Folhinha milenar

Divisão do ano é basicamente a mesma há 20 séculos



Janeiro



Januarius era uma homenagem ao deus Jano, o senhor dos solstícios, encarregado de iniciar o inverno e o verão. Seu nome vem daí: ianitor quer dizer porteiro, aquele que comanda as portas dos ciclos de tempo.



Fevereiro



O nome se referia a um rito de purificação, que em latim se chamava februa. Logo, Februarius era o mês de realizar essa cerimônia. Nesse período, os romanos faziam oferendas e sacrifícios de animais aos deuses do panteão, para que a primavera vindoura trouxesse bonança.


Por que 28 dias?


Até 27 a.C., fevereiro tinha 29 dias. Quando o Senado criou o mês de agosto para homenagear Augusto, surgiu um problema: julho, o mês de Júlio César, tinha 31 dias, e o do imperador, só 30. Então o Senado tirou mais um dia de fevereiro.



Março



Dedicado a Marte, o deus da guerra. A homenagem, porém, tinha outra motivação, bem menos beligerante. Como Marte também regia a geração da vida, Martius era o mês da semeadura nos campos.



Abril



Pode ter surgido para celebrar a deusa do amor, Vênus. Na primeiro dia do mês, as mulheres dançavam com coroas de flores. Outra hipótese é a de que Aprilis tenha se originado de aperio, "abrir" em latim. Seria a época do desabrochar da primavera.



Maio



Homenagem a Maia, uma das deusas da primavera. Seu filho era o deus Mercúrio, pai da medicina e das ciências ocultas. Por esse motivo, segundo escreveu Ovídio na obra Fastos, Maius era chamado de "o mês do conhecimento".



Junho



Faz alusão a Juno, a esposa de Júpiter. Se havia uma entidade poderosa no panteão romano, era ela, a guardiã do casamento e do bem-estar de todas as mulheres.



Julho



Chamava-se Quinctilis e era simplesmente o nome do quinto mês do antigo calendário romano. Até que, em 44 a.C. o Senado romano mudou o nome para Julius, em homenagem a Júlio César.



Agosto



Antes era Sextilis, "o sexto mês". De acordo com o historiador Suetônio, o nome Augustus foi adotado em 27 a.C., em homenagem ao primeiro imperador romano, César Augusto (63 a.C.-14 d.C.).



Setembro a dezembro



Para os últimos quatro meses do ano, a explicação é simples: setembro vem de Septem, que em latim significa "sete". Era, portanto, o sétimo mês do calendário antigo. A mesma lógica se repete até o fim do ano. Outubro veio de October (oitavo mês, de octo), novembro de November (nono mês, de novem, e data do Ludi Plebeii, um festival em homenagem a Júpiter) e dezembro de December (décimo mês, de decem).



E o ano bissexto?

Dia extra a cada quatro anos corrige distorção



Ao adotar o calendário solar, em 44 a.C., Júlio César criou o ano de 365 dias e um quarto. Por causa dessa diferença, a cada quatro anos era necessário atualizar as horas acumuladas com um dia extra. O problema do calendário juliano é que, na verdade, um ano tem 11 minutos e 14 segundos a menos do que se estimava. Por isso, em 1582, o papa Gregório XIII (1502-1585) anulou dez dias do calendário e determinou que, dos anos terminados em 00, só seriam bissextos os divisíveis por 400. E o nome "bissexto" tem uma explicação curiosa: em Roma, celebrava-se o dia extra no sexto dia de março, que era contado duas vezes.


Em todo o mundo os meses do ano são iguais? Não. A exemplo, temos o calendário persa, conhecido também como calendário iraniano ou calendário Jalali, é um calendário solar utilizado no Irã (desde 1925), no Afeganistão (desde 1957) e em regiões vizinhas, particularmente em alguns países da Ásia Central e algumas regiões curdas da Mesopotâmia. Deriva do calendário zoroastriano da Pérsia pré-islâmica.
O calendário Jalali, que antecedeu o calendário iraniano, foi introduzido em 15 de março de 1079 pelo sultão seljuk Jalal al-Din Malik Shah I, baseado nas recomendações de uma comissão de astrônomos, incluindo Omar Khayyam, do observatório imperial da capital Isfahan. Os meses eram computados com base nos movimentos solares através do zodíaco, um sistema que integrava ideias do Surya Siddhanta, tratado de astronomia indiano, do século IV ou V). Mais tarde (1258), algumas ideias do calendário chinês também foram incorporadas. O calendário Jalali permaneceu em uso durante oito séculos.
O calendário iraniano é considerado mais preciso que o calendário gregoriano, já que no calendário gregoriano há um erro de 1 dia a cada 3320 anos, ao passo que, no calendário persa, há um erro de 1 dia a cada 3,8 milhões de anos. Além disso, o sistema de alternância de anos normais e anos bissextos do calendário persa é mais preciso do que o do calendário gregoriano. O ano persa inicia-se usualmente no dia 20 ou 21 de março, quando ocorre o equinócio vernal no hemisfério norte, precisamente determinado pelos observatórios astronômicos localizados em Teerão e Cabul.





Fontes:
http://mundoestranho.abril.com.br/materia/qual-e-a-origem-dos-nomes-dos-meses
http://guiadoestudante.abril.com.br/aventuras-historia/como-surgiram-nomes-meses-ano-493925.shtml
http://www.ortelius.de/kalender/pers_en.php
http://iadrn.blogspot.com.br/2013/01/qual-origem-dos-nomes-dos-meses-do-ano.html
http://educacao.umcomo.com.br/articulo/origem-dos-nomes-dos-meses-do-ano-4548.html

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário